Ego e poder, como trabalhar isso e poder iniciar um processo de libertação?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Ego e poder, como trabalhar isso e poder iniciar um processo de libertação?

Na minha caminhada como terapeuta, tenho visto como ego e poder andam lado a lado. É uma linha muito tênue que separa ambas. Tão tênue que a falta de consciência de um indivíduo sobre si, pode trazer ao indivíduo uma total “cegueira” seja ela de ordem espiritual, mental ou emocional.

            Vamos dar um exemplo. Se a pessoa é vegetariana, é claro e notório que ela come apenas frutas e vegetais e defende o não consumo de alimentos a base de animais. Ponto. Até aí está tudo certo. A partir do momento que ela acredita ser superior ao outro que não é vegetariano, porque ela é vegetariana, ela caiu na armadilha do ego espiritual e mental.

Vamos a outro exemplo. Uma pessoa que é praticante do tantra defende o uso de meditações ativas para ativar, expandir, potencializar a energia sexual no corpo e atingir estados alterados de consciência e percepção. Ponto. Quando que ela acredita ser superior ao outro que não pratique o tantra, porque ela vivencia isso, ela caiu na armadilha do ego espiritual.

Percebe-se que isso é uma linha tênue, pois é um movimento que traz prazer, desejo e uma intenção de compartilhar com o máximo de pessoas. As redes sociais são as principais plataformas de propagação disso atualmente.

Mas o que deveria ser um meio digital de compartilhamento de ideias, muitas vezes acaba sendo um meio de disseminação em alguns casos de brigas, insultos e discursos ofensivos que muito mais fazem mal ao individuo do que bem.

E aí, o ego vai mais uma vez operar afirmando aquilo que para ele é o mais importante: a sua opinião. Dito isso não estou dizendo que a pessoa não possa expressar sua opinião. Mas num nível inconsciente o ego não gosta de ser contestado, censurado, “humilhado”.

Uma crítica ou ponto de visto divergente contra aquela afirmação qualquer que seja é um insulto e humilhação para o ego. E ele reagirá agressivamente, porque num nível inconsciente ele diz para si: “quem é essa pessoa para me contestar?” ou “o quanto ela é superior para dizer o que eu devo fazer?”  

 Segundo Osho, o indivíduo com alto nível de ego – ou egoíco – acredita que o poder dele é medido na quantidade de pessoas que ele interfere. Não importa se essa interferência é boa ou ruim. Ele quer apenas saber em quantas vidas ele interveem, interfere e possui de domínio.

Esse domínio gera nele um “ar de superioridade”, uma sensação ilusória de que ele é superior aos outros a partir do ponto que ele interfere. Seja isso na CiPAT da empresa, seja como gestor de uma empresa privada, seja como gestor de um fundo de investimentos, seja como representante do povo -um político- ou qualquer cargo público qualquer.

Diante disso, como trabalhar isso? Como desconstruir algo que foi construído ao longo dos anos e anos e que muitas vezes foi gerado um reforço “positivo” daquilo que o ego entende como reconhecimento?

Essa conversa franca, essa leitura por si só já ajuda a trazer uma tomada de consciência a respeito. Cada um que possua um desejo sincero em seu coração, com a leitura, a busca em materiais verdadeiramente que tragam o autoconhecimento, poderão vivenciar suas melhores fases de tomada de consciência aonde quer que seja: religião, feminismo, direitos de classes,  LGBT’s,  direitos humanos, direitos das mulheres, política , direitos de igualdade entre cores.

E ao trazer o seu ponto de vista em relação a algo no que quer que seja, seu ponto de vista será defendido por você mesma sem nenhum ou qualquer ar de superioridade nem se preocupando com a aprovação do outro nem tampouco com a desaprovação ou não concordância do outro também. E o fato do outro não concordar com seu ponto de vista em algo não faz dele ou dela seu inimigo nem dele ser inferior.

O fato do outro não concordar com seu ponto de vista em algo pode ser visto apenas como igual porque você iniciou o desejo sincero de trazer luz para suas sombras do seu ego.

Percebo que a massagem tântrica é um instrumento junto com as meditações ativas eficiente, poderoso e legítimo para quebrar essas couraças que o ego gerou, trazendo consciência não somente mental, mas corporal. A sua busca, buscador, será o principal agente motivador para se transformar nas suas experiencias afetivas, profissionais, familiares, amizades e família.

Por Prem Hamido

DEIXE O SEU DEPOIMENTO: